MaPeixe ūüź†: Desvendando a produ√ß√£o de peixes no Brasil

O peixe é a proteína animal mais consumida no mundo. A sua produção supera a produção global de carne bovina, de frango e de porco:

Tipo de proteínaProdução global em 2017
Peixes172,6
>>> da pesca>>> 92,5
>>> de criação (aquacultura)>>> 80,1
Carne de frango121,2
Carne de porco119,6
Carne bovina68,4
(milh√Ķes de toneladas)
Dados: OCDE FAO Perspectivas agrícolas 2019/2028

Nessa compara√ß√£o, o peixe tamb√©m ganha por ser a mais saud√°vel das prote√≠nas animais, j√° que tem altas doses de gorduras boas (insaturadas), de √īmega 3 e de vitamina D.

Tem mais: você sabia que o peixe também é bom para o meio ambiente?

Para se produzir 1 kg de peixe, consome-se apenas 1-2,4 kg de ração, enquanto para 1 kg de carne bovina consome-se 6x mais. Ou seja, além de alimento saudável o peixe é também eficiente no uso dos recursos naturais.

A produção de peixes em cativeiro tem crescido enormemente no Brasil. Nós já somos o quarto maior produtor mundial de Tilápias. Uma parte importante desse crescimento vem da produção em tanques escavados, como na fotografia abaixo:

Tanques piscicultura Rond√īnia

Tanques de piscicultura em Rond√īnia

O problema: falta de informação

Apesar das vantagens do peixe e do crescimento da produção, o setor piscícola enfrenta um problema central: a falta de informação. Os dados sobre a produção de peixes no Brasil são incompletos. As consequências disso são amplas. Por exemplo, o controle sanitário dos peixes produzidos em tanques é muito mais precário do que o controle sanitário da bovinocultura. Um dos motivos é a falta de informação sobre onde estão localizados os tanques, quanto eles produzem e quais espécies produzem.

A solu√ß√£o: MaPeixe ūüź† – mapeamento da produ√ß√£o com imagens de sat√©lite

Para enfrentar esse problema, n√≥s desenvolvemos o MaPeixe ūüź†, um m√©todo inovador e custo-efetivo de produzir informa√ß√£o sobre a produ√ß√£o pisc√≠cola. Com base em imagens de sat√©lite de alta defini√ß√£o, fizemos um mapeamento in√©dito da localiza√ß√£o, tamanho, e evolu√ß√£o dos tanques de peixes ao longo do tempo (2006 a 2018) em Rond√īnia.

Para cada tanque de piscicultura, o MaPeixe identifica as seguintes informa√ß√Ķes:

Ano de surgimentoTamanho da l√Ęmina (hectares)
L√Ęmina ativa (cheia) vs inativa (vazia)Uso do tanque (m√£e d’√°gua, ber√ß√°rio, recria-engorda)
% do tanque com vegeta√ß√£o rip√°riaFonte de abastecimento (nascente, curso d’√°gua, bombeamento)
Supressão de vegetação nativa na construção do tanque

>> Veja abaixo o MaPeixe ūüź†, um conjunto de informa√ß√Ķes in√©ditas, geradas por meio de mapeamento geoespacial, da piscicultura de Rond√īnia <<

Condi√ß√Ķes de uso deste material

Todas as informa√ß√Ķes desta p√°gina podem ser usadas e distribuidas livremente segundo os crit√©rios da licen√ßa Creative Commons Atribui√ß√£o-CompartilhaIgual 4.0 Internacional. Para acessar dados mais detalhadas da produ√ß√£o pisc√≠cola, entre em contato conosco pelo e-mail p.m.vale@alumni.usp.br.


Conte√ļdo

  1. Por que Rond√īnia?

    O que √© este mapeamento.

  1. MaPeixe ūüź†: as tr√™s velocidades da produ√ß√£o de peixes

    A piscicultura tem din√Ęmicas bastante diferentes nessas tr√™s regi√Ķes.

  1. MaPeixe ūüź†: onde est√° o peixe? Mapa de calor

    Produ√ß√£o de peixe fortemente concentrada na regi√£o de Urup√°.

  1. MaPeixe ūüź†: estagna√ß√£o depois de 2015

. √Ārea de tanques pisc√≠colas decresceu na maior parte do estado, mas continuou crescendo em Ariquemes e Rio Crespo.

  1. MaPeixe ūüź†: tanques de peixes inativos

. A cada dez hectares de tanques, um está inativo (vazio). Mas em Ariquemes é diferente: só 3,7% da área está inativa.

  1. MaPeixe ūüź†: dados in√©ditos de 11 munic√≠pios

     Ariquemes: 1.896 ha de l√Ęminas pisc√≠colas, 3,7% de l√Ęminas inativas (vazias). Depois de 2015, a √°rea de produ√ß√£o s√≥ cresceu em dois munic√≠pios, Ariquemes e Rio Crespo.

  1. MaPeixe ūüź†: para onde van√ßaram as l√Ęminas d’√°gua?

    Mapas de calor do avan√ßo da produ√ß√£o em um munic√≠pio desde 2005.

  1. MaPeixe ūüź†: como evolu√≠ram as l√Ęminas d’√°gua?

    Tanques abastecidos por bombeamento s√£o absoluta minoria. Abastecimento a partir de nascente em queda. Em torno de 10% dos tanques tiveram supress√†o direta de vegeta√ß√£o nativa.

  1. A equipe

    Economista; Zootecnista; Agr√īnomo.

  1. Como fizemos o mapeamento?

    Conhe√ßa a metodologia.


1. Por que Rond√īnia?

PIscicultura Rond√īnia mapeamento completo

A seguir os primeiros resultados do trabalho de mapeamento da piscicultura em todo o estado de Rond√īnia de forma consistente ao longo do tempo.

2. MaPeixe ūüź†: as tr√™s velocidades da produ√ß√£o de peixes

Infografico by Petterson M Vale

3. MaPeixe ūüź†: onde est√° o peixe?

[Clique na imagem para aumentar]

Rond√īnia concentra√ß√£o tanques de peixes 2018

4. MaPeixe ūüź†: estagna√ß√£o depois de 2015

Na regi√£o 1, de Urup√° e Mirante da Serra, onde existe a maior concentra√ß√£o da produ√ß√£o com propriedades pequenas, a √°rea de tanques de peixes teve uma queda de 3% ao ano entre 2015 e 2018. Ou seja, em vez de estagna√ß√£o houve retrocesso mesmo. Isso se compara a um crescimento explosivo, de nada menos do que 30% ao ano, entre 2006 e 2015. Uma situa√ß√£o parecida ao que aconteceu na regi√£o 3, que engloba Porto Velho, Machadinho, Teixeir√≥polis e outros munic√≠pios onde h√° uma baixa concentra√ß√£o de l√Ęminas: queda de 1% ao ano depois de 2015 frente a crescimento de 26% ao ano antes de 2015.

O interessante é que a região 2, com os municípios de Ariquemes e Rio Crespo, teve situação totalmente diferente. Aqui, houve crescimento de 13% ao ano depois de 2015 frente a crescimento de 15% ao ano antes de 2015. Ou seja, praticamente não se observou alteração no padrão de crescimento a partir de 2015!

Ent√£o, no fundo, n√£o d√° para falar de estagna√ß√£o no estado de Rond√īnia. Na verdade, o que aconteceu foi um retrocesso, uma redu√ß√£o na √°rea produtiva, na maior parte do estado, associada √† continuidade do crescimento na regi√£o de Ariquemes, que concentra a ind√ļstria do peixe. Da√≠ a m√©dia para o estado foi a estagna√ß√£o.

5. MaPeixe ūüź†: tanques de peixes inativos

Pelo menos 10% da √°rea de tanques de peixes em Rond√īnia est√° inativa. N√≥s identificamos l√Ęminas inativas como l√Ęminas pisc√≠colas vazias. Em certos casos, todavia, os tanques podem estar cheios e mesmo assim inativos. Por isso, a estimativa de 10% √© um valor m√≠nimo.

A regi√£o de Ariquemes apresenta uma taxa de inatividade muito mais baixa do que as demais regi√Ķes. Enquanto no munic√≠pio de Porto Velho 25% das l√Ęminas foram identificadas como inativas, em Ariquemes foram somente 3,7%. A regi√£o de Ariquemes foi a √ļnica parte do estado em que a √°rea de l√Ęminas pisc√≠colas n√£o deixou de crescer a partir de 2015.

6. MaPeixe ūüź†: piscicultura – dados in√©ditos de 11 munic√≠pios

[Clique nas setas para passar de um slide a outro]

7. MaPeixe ūüź†: para onde avan√ßaram as l√Ęminas d’√°gua?

[Clique aqui para acessar o relat√≥rio completo do mapeamento da piscicultura no munic√≠pio de Rio Crespo, Rond√īnia]

Concentração tanques de peixes Rio Crespo heatmap

8. MaPeixe ūüź†: como evolu√≠ram as l√Ęminas d’√°gua?

[Clique aqui para acessar o relat√≥rio completo do mapeamento da piscicultura no munic√≠pio de Rio Crespo, Rond√īnia]

Evolu√ß√£o piscicultura Rio Crespo Rond√īnia

9. A equipe

Equipe Bussola Consultoria

10. Como fizemos o mapeamento?

Este trabalho foi realizado com a aplicação de técnicas de classificação supervisionada de dados a imagens de satélite de alta definição (Sentinel 2, Google e Bing).

Mapeamento piscicultura Rond√īnia m√©todo