Churrasco de Tambaqui

Churrasco de Tambaqui



O momento é de preocupação, e nessas horas o Brasil sério precisa entrar em ação. É por isso que o grande Festival do Tambaqui da Amazônia, que seria realizado em São Paulo no dia 28 deste mês, foi cancelado. Um evento que prometia levantar a bola do peixe de Rondônia. Infelizmente, os paulistanos terão que esperar.

Ao ver a notícia, me veio uma pergunta à cabeça: será que esses eventos têm um real impacto sobre o consumidor?

A Agroconversa de hoje é sobre Marketing do peixe.

Os paulistas falam muito pouco de peixe: para cada 50 vezes que um rondoniense ou amazonense fala de peixe, o paulista só fala uma vez. Quando falam, os paulistas falam de Tilápia. Para cada sete vezes que falam de Tilápia, os paulistas falam de Tambaqui só uma vez. Já para os rondonienses e amazonenses a situação é outra: para cada 20 vezes que falam de Tambaqui, eles falam uma única vez de Tilápia.

Notem bem: esses números não estão saindo da minha cabeça. Eu os extraí da mais influente rede social do mundo: o Twitter. Como sabemos, o pessoal da caneta pesada – quem decide os rumos das coisas – escreve no Twitter. É por isso que o Twitter é o melhor canal para aprendermos sobre novas tendências.

Dados extraídos do Twitter para avaliar a penetração do Tambaqui nos grandes mercados brasileiros

Imagine a seguinte situação: o que aconteceria se os paulistas passassem a falar de peixe só 10% mais, e se passassem a falar de Tambaqui só 10% do que os rondonienses e amazonenses falam? Se isso acontecesse, a presença do Tambaqui nas conversas dos paulistas aumentaria 25 vezes! Aumentando a conversa, aumentaria a vontade de comprar, não é?

Pois é. E será que os eventos voltandos ao Tambaqui, como os grandes churrascos que têm sido promovidos, estão contribuindo para fazer o Tambaqui mais conhecido fora de Rondônia?

Resposta: mais ou menos. Os dados do Twitter mostram que, no ano de 2018, houve 14 tuítes por dia com a palavra Tambaqui. Pode parecer pouco, mas o Twitter é uma rede social que forma opinião. Esse número foi mais baixo do que em 2015, 2016 e 2017. Mas em 2019, o número de tuítes de Tambaqui deu um salto de 65%, para 23 tuítes/dia. Isso pode ter sido causado pelo esforço de marketing que foi feito no ano passado.

De fato, no dia 07 de agosto, quando houve o primeiro Festival do Tambaqui da Amazônia, um grande churrasco promovido na esplanada dos Ministérios, em Brasília, o número de tuítes subiu oito vezes! E mais: os tuítes adicionais vieram exatamente de Brasília e de São Paulo. Por outro lado, os churrascos promovidos na Expovale, em Ariquemes, Rondônia, tanto em 2018 quanto em 2019, não parecem ter gerado movimento adicional no Twitter.

Conclusão: os eventos promovidos fora de Rondônia podem aumentar a popularidade do Tambaqui. É bem provável que isso tenha acontecido em 2019.

Eu também usei os dados para avaliar se a live em que o Bolsonaro falou do Tambaqui, em 06/03/2020, teve algum efeito. Não teve nenhum efeito. Avaliei, igualmente, se a participação de Rondônia na feira internacional anufood em SP, em 09/03/2020, gerou algum efeito no Twitter. Nenhum efeito.

Fazer marketing não é fácil. Mas uma coisa é certa: o potencial do peixe, principalmente neste momento de crise, é imenso. Precisamos aprender a vender o nosso peixe!

Um abraço